Progressivas, saiba o que são e como agem!

Progressivas, saiba o que são e como agem!

Recebemos muitas clientes diariamente para fazermos avaliações e testes de mechas para o tão sonhado loiro hidratado e claríssimo. Nestas avaliações fazemos algo que se chama anamnese, que é o preenchimento de um questionário informal onde as clientes respondem o que possuem nos cabelos ao longo dos anos e qual a cor de cabelo desejam chegar. Na maioria das vezes as clientes nos avisam que possuem “botox”, “plástica dos fios”, “progressiva”, “selagem”, “escova X, Y e Z” e todos os tipos de procedimentos que alguns dizem que não possuem formol, e outros sim… mas, alisam. Enfim, cada uma com um tipo de produto, e cada um com sua intensidade, mas, em todos com o mesmo intuito; o cabelo alinhado, sem volume na raiz, e por muitas vezes definitivamente liso.
Muitas me dizem “ah, a plástica de fios que eu faço não possui formol”, outras por sua vez dizem “ah, a progressiva que eu uso possui muito pouco formol, tem só os 2% autorizados pela ANVISA”, e outras “ah, o botox que eu faço hidrata, não tem cheiro, nem incomodo, o cabelo fica ótimo”. Essas, e outras frases escutamos diariamente e às vezes se torna até complicado rebater a mesma informação.
O que acontece é que esses produtos milagrosos, ajudam no dia a dia da mulher por fazer o controle de seus fios mas, é como um veneno para o cabelo, e, principalmente para os loiros por já serem sensibilizados na maioria das vezes.
Um veneno por que a cada vez que esses produtos são utilizados o cabelo sofre uma miniaturização, ou seja, o fio vai ficando cada vez mais fino, e por sua vez, com menos massa e mais fraco. Outra situação que ocorre é que, por ser um produto de ph extremamente ácido, as cutículas do cabelo ficam como se estivessem sido plastificadas e não se consegue penetrar nenhum nutriente ou hidratação depois de feita de tão fechada que fica a cutícula. E para quem gosta de mechas isso é ainda pior… O cabelo fica com as cutículas tão fechadas que se torna muito mais difícil de serem dilatas, dificultando assim, a função do pó descolorante, que por sua vez, não consegue agir com eficácia e fazer a queima das melaninas até o tom desejado das clientes, que normalmente costumam ser o mais claro possível. Resumindo, o cabelo não descolore o tanto que conseguiria se fosse natural, e sempre tem suas estruturas mais sensibilizadas por não estarem saudáveis.
E no caso das colorações, o resultado nem sempre fica homogêneo, principalmente no caso das colorações claras que ficam sempre com aspecto amarelado e sem brilho, e no caso dos vermelhos e ruivos naturais ocorre o mesmo. O cabelo na maioria das vezes fica com manchas, sem vida e a cor fica sempre mais fechada do que o esperado.
Quanto mais repetições, mais finos, desidratados e ralos ficam os fios. E, mais quebradiços.
Além de prejudiciais ao fio, o couro cabeludo também sofre muito. Com a aplicação dos agentes ácidos o couro cabeludo sofre uma queima e o mesmo libera posteriormente oleosidade para se proteger dessa queimadura, fazendo assim que o couro fique sempre muito oleoso e com aspecto sujo. Com esse excesso de oleosidade começam a aparecer placas de descamação que são resultados de uma inflamação no couro, conhecida com dermatite seborreica. Com essa dermatite podem haver proliferação de bactérias e fungos que pioram ainda mais a situação do couro cabelo que por sua vez, libera mais sebo para se proteger desses. Esse conjunto de fatores podem causar queda, problemas no crescimento da haste capilar por falta de oxigenação no couro cabeludo e em alguns casos até queimaduras do mesmo.
Com essa série de fatores o cabelo quebra na ponta e tem dificuldade no crescimento fazendo com que não saia de seu comprimento atual e sempre fique menor, mais fino e mais ralo. É um ciclo vicioso. E um instinto de socorro as clientes, fazem mais um aplicação achando que estão melhorando seu cabelo quando na verdade a situação é totalmente contrária.
É muito importante deixar claro que, todos esses produtos não hidratam o cabelo. Eles apenas fecham as cutículas dificultando assim a hidratação e nutrição deste fio. É uma maquiagem instantânea que serve apenas para abaixar o volume e o frizz.
Hoje no mercado infelizmente não possuímos nenhum produto químico que abaixe o volume, ou até alise, e, que seja compatível com as descolorações, que seja legalizado e autorizado pela ANVISA. Os alisamentos autorizados pela ANVISA não são compatíveis com as descolorações por deixarem os fios muito sensibilizados, sendo eles: hidróxido de sódio, hidróxido de potássio, hidróxido de cálcio, hidróxido de lítio, hidróxido de guanidina, tioglicolato de amônio e tioglicolato de amino metilpropanol; estes sim são permitidos pela legislação.
E esclarecendo logo todos esses mitos e verdades, botox, plástica, selagem, progressiva e todas essas variações são a mesma coisa. A diferença entre eles são apenas os agentes ativos mas, todos tem a mesma finalidade. E não me digam “a que eu faço é a base de açúcar, chocolate, mel ou seja lá o que for” que no final das contas dará na mesma. É só pensarmos que, se por exemplo o produto milagroso é a base de açúcar, vamos pegar açúcar misturar com um bom creme, deixar 20 minutos no cabelo, secar, pranchar e quando lavarmos ele estará liso, hidratado e sem volume. Sempre se questionem, se alisa ou abaixa o volume, qual o agente responsável por isso.
Alguns dizem “a progressiva que eu uso é a base de um grupo de aminoácidos X”, façam o seguinte, pesquisem sempre o tal grupo de aminoácidos X, só assim vocês poderão saber o que realmente está sendo utilizado na sua cabeça. Além de pesquisarem a origem das empresas e dos produtos. Vocês podem simplesmente entrar no site da ANVISA e fazerem a pesquisa pelo CNPJ ou do registro do produto e conferirem se o produto e a empresa estão de acordo com as leis e, com suas exigências. Não deixe de olhar, estamos falando do seu cabelo e da sua saúde.
Para consultar basta entrar no site da ANVISA e fazer a pesquisa pelo CNPJ da empresa ou pelo numero do processo. Na maioria das vezes os produtos nem estão registrados, não tem permissão de funcionamento, ou estão em análise. Sendo que nenhum destes produtos são registrados como alisamentos, progressivas ou algo do tipo, sempre vem como reestruturador, ou hidratação ou coisas do tipo, e são registrados como GRAU1 que são produtos que não possuem perigo a saúde e não precisam comprovar sua efetividade, o que não é verdade. Por essas e por outras tem que se tomar sempre cuidado e ter cautela.
Site para consulta:
http://www7.anvisa.gov.br/datavisa/Consulta_Produto/consulta_cosmetico.asp
Na maioria dos produtos sua composição possuem ativos que na verdade não passam de formaldeído e que não vem na rotulação dos fabricantes e quando vem estão disfarçados como Methylene Glycol (que é formol em base líquida). Simplificando tudo, os mais conhecidos ativos que existem nesses produtos são: Formaldeído, Ácido Glioxílico, Ácido Acético, e a Caborcisteína ou Oxiacetamida (que alguns dizem que está liberado pela ANIVISA mas sem o formaldeído em sua composição não faz o alisamento do cabelo e apenas faz a despigmentação das melaninas fazendo uma queima deixando os cabelos alaranjados). Alguns deles possuem cheiro, ardência e incomodo e outros não; o que não significa que não possuem o formaldeído em sua composição. O que ocorre é que estes que não possuem cheiro, tem sua composição um neutralizador de odor e de ardência, que é o que mais incomoda, mas, quando aquecido a 111°C libera ácido fórmico que nada mais é do que formaldeído em forma gasosa. Resumindo, é tudo a mesma coisa, o que diferenciam eles é só o ph, variando entre 0,5 e 1,5 sendo extremamente ácidos e prejudiciais à saúde e ao fio do cabelo.
Essas substâncias também podem estar rotuladas como: Methanal (Metanal), Óxido de Metileno, Oxymethylene (Oximetileno), Methylaldehyde (Metil aldeído), Oxomethane (Oximetano), Formalina (Formalin), Aldeído Fórmico e outros.

A concentração de formaldeído permitida pela ANVISA é de 0,2% como conservante e de 0,5% como endurecedor de unhas, e normalmente estas concentrações são encontradas nos vidros de esmaltes e não em produtos cosméticos, que normalmente utilizam outros conservantes para função de conservação do produto e não para alisamento como se utilizam nas progressivas, quem além de fazerem mal ao cabelo, fazem mal à saúde e podem até causar câncer (RCD nº 162 de 11 de setembro de 2011).
Quero deixar bem claro aqui que o maior dano é direcionado aos profissionais da área que se expõem constantemente e até diariamente a esta agressão. As substâncias são realmente tóxicas, e causam danos que podem ser irreversíveis, como problemas respiratórios e até câncer (comecem a perceber se quando vocês fazem estas progressivas, e inalam o vapor e os cheiros, começam a surgir dores de cabeça, estômago, cólicas e outros, estes são avisos do nosso corpo para a agressão). E por favor, não me diga que utiliza máscaras, porque, para purificar o ar inalado, seria necessário utilizar uma máscara apropriada, não essas feitas de papel utilizadas em hospital, pois, estas são para evitar o contato de gotículas de saliva e outros líquidos, e não fumaça. As clientes que utilizam destes procedimentos químicos o perigo é bem inferior por não estarem constantemente expostas aos agentes químicos, mas, é sempre importante verificar se não existe nenhum quadro de irritação ou alergias antes de se expor, e, se não houver como parar de utilizar estas progressivas por “n” motivos o mais indicado é não sobrepor o produto onde já foi aplicado uma vez, e aplicar somente na área que houve crescimento, evitando ao máximo tocar no couro cabeludo. Também é necessário sempre tentar utilizar uma toalha úmida sobre o rosto para evitar inalar a fumaça e, fazer em um local aberto para que a mesma se disperse mais rapidamente.

Em busca de cabelos mais lisos, sem volume, alinhados e sem frizz, inúmeras mulheres vão aos salões de belezaprocurando dos mais diversos tipos de escovas progressivas. Independentemente do nome que levem — botox, selagem, plástica, escova inteligente etc —, todas agem de forma bastante semelhante.

Todos esses tipos são um veneno para os fios, principalmente para os loiros e para os que recebem tonalização em seguida. Portanto, antes de optar por aplicá-la, é fundamental que se saiba exatamente o que são e como as progressivas agem. Neste post, esclarecemos tudo sobre o assunto para que não restem dúvidas. Acompanhe!

O que é escova progressiva?

Escova progressiva é uma técnica utilizada para alisar, alinhar, reduzir o volume e o frizz dos fios. É chamada de progressiva pelo efeito gradual: a cada aplicação, o cabelo fica progressivamente menos volumoso e mais fino. Como já mencionamos, há diversas formas de denominar: plástica capilar, botox, selagem, escova inteligente, de frutas, de chocolate. Porém, todas essas técnicas têm o mesmo efeito no cabelo.

É um procedimento que altera drasticamente a estrutura capilar. Para explicar melhor, é preciso esclarecer que os fios possuem, em média, 12 camadas sucessivas de cutículas, havendo uma série de proteínas presentes para unir todas elas. Antes da aplicação da progressiva, o cabelo é lavado com um shampoo que tem a capacidade de abrir essas camadas.

Dessa forma, a camada abaixo das cutículas fica exposta, facilitando a penetração do ativo alisante. Tal ativo tem PH bastante ácido e, com a ajuda do calor intenso da chapinha que faz parte do procedimento, consegue desidratar os fios. Assim, das 12 camadas, restarão aproximadamente 4 delas.

Como as progressivas agem no cabelo?

Apesar de proibido pela ANVISA — Agência Nacional de Vigilância Sanitária —, os laboratórios conseguem encontrar meios de colocar formol nas fórmulas de escovas progressivas. Devido aos riscos para a saúde, o máximo que os produtos devem ter de formol é de 0,2% na composição total.

Essa substância age como se o fio capilar fosse encapado por um plástico. O cabelo pode até parecer brilhoso, mas, na verdade, ele está plastificado. O formol altera a essência da composição da fibra e a estrutura molecular do fio. Dessa forma, nenhum tratamento (cauterização, hidratação, descoloração, tintura) consegue ter o efeito desejado, já que não conseguirá penetrar na fibra capilar.

Para substituir o formol, outros produtos estão sendo usados. São eles: hidróxido de sódio, hidróxido de potássio, hidróxido de cálcio, hidróxido de lítio, hidróxido de guanidina, tioglicolato de amônio e tioglicolato de amino metil propanol.

Apesar de serem autorizados pela ANVISA, também causam o efeito plastificado nos cabelos. Deixam os fios fracos, finos, quebradiços e sem vida. Apesar da troca da substância, continua sendo progressiva.

Como saber se o produto da progressiva é autorizado pela ANVISA?

Leia o rótulo com atenção e procure pela composição. Busque saber a origem da empresa e do produto. Além disso, entre no site da ANVISA e faça a pesquisa pelo CNPJ da empresa ou número de registro ou processo. Assim, é possível conferir se o produto está de acordo com as leis e as exigências. Em hipótese alguma utilize cosméticos não autorizados pela Agência, ou você colocará a saúde e seus cabelos em risco.

Atente para o fato de que alguns produtos possuem ativos que, na verdade, são formaldeídos. Porém, eles podem estar escritos como Methylene Glicol, que é formol em base líquida. Aliás, a substância também pode estar rotulada como Methanal (Metanal), Óxido de Metileno, Oxymethylene (Oximetileno), Methylaldehyde (Metil aldeído), Oxomethane (Oximetano), Formalina (Formalin) e Aldeído Fórmico.

Alguns não causam ardência, incômodo ou mau cheiro durante a aplicação. Isso ocorre porque contêm neutralizador de odor e ardência, mas, ainda assim, são bastante prejudiciais. O que os diferencia é apenas o valor do PH, variando entre 0,5 e 1,5 — extremamente ácidos.

Como é o processo de aplicação das progressivas?

No salão, o cabelo é lavado com shampoo antirresíduos ou de PH normal. O condicionador é usado somente se estiver muito difícil de desembaraçar os fios. Mas não é indicado, já que ele fecha as cutículas dos fios. Após a secagem com escova, o produto é aplicado em toda a extensão do cabelo a 1 centímetro da raiz.

Ao terminar esse passo, o cabelo é deixado em posição de descanso pelo tempo recomendado pelo fabricante. Em seguida, é preciso secar os cabelos e finalizar com chapinha para que os fios fiquem bem lisos. Essa parte é fundamental, pois a qualidade da chapinha e a quantidade de vezes passada no cabelo é que garantirão um bom resultado.

Em fios finos e claros, o ideal é passar 10 vezes em temperatura branda em cada mecha. Em cabelos escuros e grossos, 15 vezes utilizando temperatura mais elevada. Após o cabelo esfriar, é preciso enxaguar e aplicar um creme de tratamento, conforme as necessidades do cabelo.

Quais cuidados tomar para prolongar o efeito da escova progressiva?

O efeito das escovas progressivas costumam durar cerca de três meses. Porém, com alguns cuidados, é possível prolongar o efeito para que dure até seis meses. Veja quais são eles:

  • dependendo do produto escolhido, o melhor é esperar 48 horas antes da primeira lavagem. É necessário perguntar ao seu cabeleireiro como proceder;
  • também é melhor não prender nem colocar o cabelo atrás das orelhas nos dois primeiros dias após a aplicação;
  • uma semana após o procedimento, faça uma cauterização ou hidratação com queratina. Assim, reforçará a selagem das cutículas, fixando ainda mais o produto;
  • evite utilizar shampoos de limpeza profunda e antirresíduos. Prefira os que possuem PH entre 4,5 e 5 — essa informação consta no rótulo;
  • utilize somente shampoos sem sal na formulação, pois eles abrem as cutículas e facilitam a eliminação do ativo da progressiva;
  • lembre-se de que shampoos para cabelos tingidos ajudam a selar as camadas dos fios, ajudando a fixar ainda mais o alisante;
  • hidrate sempre, pois a falta disso faz com que o cabelo fique poroso —eliminando o ativo mais rapidamente;
  • reforce a hidratação nas pontas, já que é a parte mais danificada pelo alisamento;
  • não lave os cabelos todos os dias. O ideal é lavar duas vezes por semana;
  • não torça os fios nem use elásticos para prendê-los. Isso evita a quebra;
  • use sempre o secador, pois a progressiva é termoativada, ou seja, é ativada pelo calor. Assim, o uso do secador reforça a ação do produto nos fios, prolongando o efeito;
  • prefira secadores com turmalina, já que essa substância ajuda a manter os fios lisos;
  • sempre use um leave-in antes do secador para diminuir os danos causados pelas altas temperaturas;
  • escolha produtos que prometem efeito liso ou específicos para serem usados pós-progressiva;
  • caso queira tingir o cabelo, dê um intervalo mínimo de 15 dias após ter feito escova progressiva;
  • redobre os cuidados durante o verão: utilize protetor solar capilar e evite pegar muito sol.

Quais as vantagens das progressivas?

Apesar dos riscos, as escovas progressivas apresentam diversas vantagens que muitas mulheres consideram fazer o procedimento valer a pena. A praticidade é, sem dúvidas, o maior benefício oferecido. Basta lavar e secar com secador. Como o produto é ativado pelo calor, basta secar. Não há necessidade de fazer escova ou finalizar com chapinha.

A diminuição do volume e do frizz também é bastante evidente, e isso é um sonho para inúmeras mulheres. Esse efeito dura por, em média, três meses. Após esse tempo, o cabelo já cresce o suficiente para dar volume na raiz. Então, é preciso fazer o retoque caso queira manter o liso.

Algumas mulheres, inclusive, acham que o cabelo está mais brilhante e hidratado. Porém, isso é somente devido ao efeito plastificado causado pelo ativo. Na verdade, o fio está coberto por uma película, porém, desidratado.

Quais prejuízos as progressivas causam nos cabelos?

A cada aplicação do produto, o cabelo sofre miniaturização, ou seja, o fio fica mais e mais fino. Com isso, com menos massa e mais fraco. Como o PH dos produtos utilizados é extremamente ácido, é como se as cutículas do cabelo ficassem plastificadas.

Logo, dificilmente será possível nutrir e hidratar os fios, já que as cutículas estão fechadas demais. Para as que gostam de luzes e mechas, é ainda pior: o pó descolorante não consegue penetrar nos fios, dificultando que o tom desejado seja alcançado.

Não há como reverter o processo. Portanto, caso a aplicação já tenha sido feita por várias vezes, dificilmente o produto sairá do cabelo. Somente um bom corte conseguirá retirá-lo. Outra opção é esperar crescer e ir, aos poucos, cortando as pontas com pregressiva.

Porém, até que o corte retire todo o produto, o fio ficará com duas texturas e será preciso fazer uma transição capilar. Mas, infelizmente, muitas mulheres não tem paciência nem disciplina suficiente para essa técnica, e, com isso, acabam recorrendo a mais aplicações do alisante.

Os produtos das progressivas prejudicam também a coloração. A cor ficará mais fechada que o esperado, além de não ficar homogênea, resultando em manchas. Quanto mais aplicações, mais sem vida, finos, desidratados e ralos ficarão os fios.

O couro cabeludo também é afetado?

Além dos cabelos, o couro cabeludo também sofre danos. A acidez dos produtos queima a pele, fazendo com que ela libere oleosidade para se proteger dessa agressão. Assim, o cabelo fica sempre com aspecto sujo e oleoso. O excesso de oleosidade causa dermatite seborreica, fazendo com que apareçam placas de descamação. Por sua vez, a dermatite contribui para o aparecimento de fungos e bactérias.

Esse conjunto de fatores causa a queda dos cabelos e problemas no crescimento da haste capilar. Assim, os fios tendem a ficar cada vez mais fracos, finos, curtos e quebradiços. Para tentar mudar esse aspecto do cabelo, muitas mulheres recorrem a mais uma aplicação da progressiva. É um ciclo vicioso, que torna a situação ainda mais grave.

Há alguma contraindicação no uso de progressivas?

Esta é uma das grandes dúvidas das mulheres que desejam alisar os cabelos. Grávidas e lactantes não podem fazer progressivas, pois a química utilizada pode fazer mal à saúde do bebê. Pessoas com o couro cabeludo sensível ou cabelo muito oleoso também não devem fazer uso da técnica, visto que pode causar ainda mais sensibilidade e oleosidade.

Se o couro cabeludo apresentar alguma irritação ou lesão, é contraindicado a aplicação. O ideal é curar a pele antes, porque o produto pode piorar o ferimento. É importante frisar que os ativos autorizados pela ANVISA não são compatíveis com descolorações, porque deixam os fios bastante sensibilizados. Além disso, o Estatuto da Criança e do Adolescente proíbe estritamente o uso de produtos químicos em crianças.

As progressivas podem ser aplicadas em qualquer tipo de cabelo?

Não. Em determinados tipos de cabelo, a progressiva não apresenta o efeito esperado. É o caso do afro, pois os fios são bastante porosos e com um número bem menor de cutículas. Logo, o produto não é bem fixado. O resultado é apenas o engrossamento capilar.

Além disso, as progressivas não apresentam bons resultados em cabelos virgens. Isso porque os fios sem qualquer química possuem as fibras de queratina em perfeito estado, sem aberturas ou fissuras. Com isso, o produto tem maior dificuldade em penetrar.

Em casos assim, geralmente os profissionais optam por fazer algum procedimento químico — relaxamento ou tintura — antes de alisar, para fazer com que as fibras do cabelo se abram.

Se os fios estiverem bastante danificados, sem nutrientes, elásticos, quebradiços e ressecados, o ideal é fazer uma hidratação antes do alisamento. Afinal, é fundamental antes recuperar o cabelo para depois agredi-lo com química. Do contrário, os danos serão agravados.

Cabelos quimicamente tratados devem, obrigatoriamente, passar por um teste de mecha antes da aplicação da progressiva. Aliás, somente um profissional qualificado tem condições de avaliar a saúde dos cabelos e dar, ou não, o aval para a aplicação de química.

A saúde dos profissionais sofre danos com as progressivas?

É importantíssimo esclarecer que os maiores danos causados pelas progressivas são aos profissionais. Ao se exporem frequentemente — em muitos casos, diariamente — a essa agressão, podem ser vítimas de danos irreversíveis, como problemas respiratórios e, até mesmo, câncer.

A cliente que se submete à técnica, ao inalar o produto, sente fortes dores de cabeça, náuseas, irritação nos olhos e garganta. Esses sintomas são potencializados nos profissionais, visto que realizam o precedimento com imensa frequência. Não adianta fazer uso de máscara de papel, porque ela não consegue purificar o ar que será inalado. Ela serve apenas para evitar contato com gotículas que, porventura, possam atingir o rosto.

Como você pôde ver, as progressivas servem apenas como uma maquiagem instantânea para diminuir o volume e o frizz dos cabelos. Infelizmente, seu uso prejudica a saúde dos fios e do couro cabeludo. Porém, se mesmo assim você optar por aplicar o produto, certifique-se de que ele é realmente autorizado pela ANVISA. Além disso, tome todos os cuidados para prolongar o efeito, e, assim, não precisar utilizar o produto com tanta frequência.

Gostou deste artigo sobre escovas progressivas? Se tiver alguma dúvida ou dica, deixe um comentário abaixo e compartilhe as suas ideias sobre o assunto!

Matéria Colaborativa pelos profissionais
www.instagram.com/vagner.valsi
www.instagram.com/tiagosn7
Icaro Matsuo

imperiosalone

No Comments

Comente